Por 15 votos a 5, a maioria da bancada governista da Câmara de Natal manteve o veto do prefeito Carlos Eduardo (PDT) a uma emenda da vereadora Amanda Gurgel (PSTU) que destinava R$ 3 milhões para iniciar a construção do primeiro hospital municipal. Os recursos seriam remanejados do gabinete do prefeito, que conta hoje com R$ 3,5 milhões e tem entre as despesas passagens aéreas, manutenção e restaurantes caros, como Camarões e Fogo e Chama, por exemplo. “Se vocês (vereadores) votassem realmente pela população, votariam pelo hospital municipal, e não pelas regalias do prefeito.”, criticou a vereadora Amanda.

????

Com SIM, os que votaram para manter o veto. Com NÃO, os que votaram para derrubar.

A proposta de emenda da vereadora do PSTU foi aprovada pela maioria dos parlamentares em dezembro do ano passado, durante votação do orçamento de 2015, mas acabou vetada pela Prefeitura. Entretanto, na sessão desta quarta-feira (06), a maioria da Câmara decidiu, contraditoriamente, manter o veto e impediu que os R$ 3 milhões fossem remanejados do gabinete do prefeito para a construção do hospital. No orçamento, estão previstos agora apenas R$ 199 mil para a obra.

Nas razões do veto, a Prefeitura argumentou que não seria possível mexer nos recursos do gabinete do prefeito, mas não apresentou base jurídica nem justificativas plausíveis para vetar o remanejamento. “No Diário Oficial do Município, no dia 8 de dezembro de 2014, encontramos um contrato de quase R$ 34 mil da Prefeitura com o Camarões e o Fogo e Chama, que são restaurantes de alto nível na cidade. Tem três milhões de reais para o gabinete do prefeito, mas não tem para o hospital municipal, para o povo pobre que está nos corredores do Walfredo Gurgel.”, denunciou a vereadora Amanda.

VÍDEO | Veja AQUI pronunciamento da vereadora Amanda Gurgel sobre o tema.

Facebook Comments